Atualizações de observabilidade: .NET no APM, monitoramento do Kubernetes, Metrics Explorer | Elastic Blog
Releases

Atualizações de observabilidade: .NET no APM, monitoramento do Kubernetes, Metrics Explorer

Estamos empolgados em compartilhar com você nosso entusiasmo irrestrito para melhorar as ferramentas disponíveis aos operadores para manter aplicativos e serviços disponíveis, funcionais e rápidos. Não importa se você chama esse objetivo de “observabilidade”, leia o que temos a dizer.

O Elastic APM adiciona suporte ao .NET, com a versão beta do .NET Agent de alta solicitação. No aspecto do monitoramento de infraestrutura, adicionamos o Metrics Explorer —  uma nova visão do aplicativo Infrastructure do Kibana que foi projetado para melhorar a maneira como você interage com as métricas de infraestrutura de modo ad hoc. Por fim, continuamos a ampliar as ferramentas de monitoramento do Kubernetes na versão 7.2 com o lançamento de várias novas integrações de dados para tecnologias nativas na nuvem, como CoreDNS e CRI-O.

Se você estiver ansioso, a versão 7.2 está disponível agora em nosso Elasticsearch Service — o único produto hospedado do Elasticsearch a oferecer todos esses novos recursos. Ou pode fazer download da versão mais recente do Elastic Stack.

A abordagem da Elastic à observabilidade

O termo “observabilidade” descreve uma filosofia que enfatiza a visibilidade unificada da integridade dos sistemas, serviços e aplicativos. Apesar de ser um termo mais novo no setor, ele captura com eficácia o principal motivo pelo qual muitos usuários e suas equipes estão escolhendo o Elastic Stack para suas necessidades operacionais. Devido à natureza flexível do Elasticsearch, em que tudo é apenas um índice, os usuários podem reunir com sucesso logs, métricas, rastreamentos e medições de disponibilidade — que tradicionalmente eram fontes de dados distintas — em um único armazenamento operacional.

Unifique todos os logs de infraestrutura, métricas, dados de disponibilidade e rastreamentos de APM com o Elastic Stack

Adotamos uma estratégia dupla no segmento da observabilidade: continuar proporcionando as melhores experiências para cada “pilar” da observabilidade, ao mesmo tempo oferecendo suporte à maneira como esses fluxos de dados são combinados para os usuários de maneiras mais naturais e fluidas. Todos os dados de observabilidade cumprem o Elastic Common Schema (ECS) e todos os aplicativos do Kibana são integrados para oferecer fluxos de trabalho de correlação de dados e navegação de apenas um clique.

A observabilidade em ação no Elastic Stack

A Red Wing Shoes, uma fabricante de calçados de segurança, confia na dupla Elasticsearch Service + Elastic Cloud para obter uma visão unificada sobre o processo de manufatura no chão de fábrica, a integridade de seu site de e-commerce e as operações em mais de 600 lojas no mundo todo. A equipe responsável pelas operações também conduz a implantação de novos aplicativos e serviços voltados para a expansão dos negócios. “Conseguimos fazer isso com uma equipe pequena, porque nosso foco é tornar as operações de TI eficientes”, conta Marc Kermisch, Vice-Presidente e Diretor de TI. “Ver todos os dados de operações relevantes em um banco de dados único com uma interface única nos ajudou a ser mais eficientes na triagem e na resolução de questões com base em dados prontos para atuação. E o fato de o Stack ser gerenciável por completo na Elastic Cloud significa que nosso contingente administrativo pode ser baixo já que qualquer implementação, ampliação ou upgrade do Elastic Stack acontece com um clique.”

Leia mais sobre nossa abordagem a esta importante tendência em nosso blog sobre observabilidade com o Elastic Stack.

Na versão 7.2, continuamos a ampliar e aprofundar nossas iniciativas de observabilidade com as seguintes melhorias de produtos.

O Elastic APM adiciona suporte ao .NET, a aplicativos de única página e a métricas específicas de agente.

Estamos muito empolgados em anunciar que estamos migrando o agente Elastic APM para o .NET do status de prévia para beta. O .NET Agent adiciona instrumentação automática para o ASP.NET Core 2.x+ e o Entity Framework Core 2.x+, ao mesmo tempo também oferecendo uma API de agente público que permite aos usuários instrumentar manualmente quaisquer aplicativos .NET que estejam usando outras estruturas.

O suporte ao .NET foi um dos recursos mais solicitados para o Elastic APM, e estamos muito satisfeitos em uniformizar o universo de idiomas compatíveis. Gostaríamos de agradecer a todos os membros da nossa comunidade que preencheram nossa pesquisa para nos ajudar a priorizar nossos esforços de suporte a idiomas e fornecer comentários sobre a versão da prévia.

O RUM (Real User Monitoring) Agent no Elastic APM expanda o suporte a aplicativos de única página (SPAs), permitindo aos usuários capturar transações de alteração de roteamento além de transações de carregamento de página. Os SPAs oferecem muitos benefícios em comparação com os aplicativos de múltiplas páginas (MPAs), incluindo uma experiência de usuário mais otimizada e tempos de carregamento mais rápidos para renderizar dinamicamente elementos de dados à medida que o usuário navega pela página. A natureza dinâmica da entrega precisa de uma abordagem mais personalizada à adaptação da experiência do usuário final, como o exame das alterações de roteamento de aplicativos internos.

Por fim, os agentes de APM agora coletam métricas específicas de idioma, além de indicadores principais de desempenho comuns — como utilização de recursos gerais — vinculados a dados de rastreamento de APM. Por exemplo, o Java Agent agora coleta métricas de JVM, como memória de heap Java e contagem de threads, que também são exibidos automaticamente no aplicativo APM. A adição dessas métricas específicas de agente cria uma experiência de monitoramento mais rica oferecendo contexto adicional ao comportamento do aplicativo, sem exigir que os desenvolvedores instalem outros agentes.

Métricas específicas de idioma

Leia sobre mais vantagens do APM em nosso blog da versão do Elastic APM.

O Metrics Explorer melhora a exploração de métricas de infraestrutura

A expansão do suporte a métricas é foco constante da equipe de engenharia do Elastic Stack nos últimos anos. Melhorar as eficiências de armazenamento através de novos formatos de dados como as árvores Bkd que são otimizadas para dados numéricos, expandir o conjunto de integrações de dados de métricas através de novos módulos do Metricbeat e aprimorar os recursos de visualização de séries de tempo com aplicativos dedicados do Kibana como o Time Series Visual Builder são apenas alguns exemplos do nosso contínuo compromisso com essa área.

Nossos usuários adoraram, e na versão 7.2 vamos dobrar a exploração de métricas ad-hoc ao incluir o Metrics Explorer no aplicativo Elastic Infrastructure. Essa interface de usuário permite navegar pelas métricas de infraestrutura mais importantes e interagir com elas usando marcas comuns e agrupamentos de diagrama. Cada diagrama do Metrics Explorer pode ser aberto no Time Series Visual Builder para permitir maior investigação, combinando a simplicidade de navegar pelas métricas com apenas um clique aos recursos de todas as agregações do Elasticsearch. Toda essa exploração acontece em altíssima velocidade independentemente do número e da cardinalidade de suas marcas e dimensões. O Metrics 

Metrics Explorer no Kibana 7.2

Explorer no momento está em versão beta — adoraríamos receber seus comentários em Discuss! (Discutir) Leia sobre outras melhorias em nosso blog de versão do Elastic Infrastructure.

A Elastic reforça a observabilidade do Kubernetes

O ecossistema do Kubernetes está em rápida evolução, alimentado pela inovação do open source em muitas empresas. Novos projetos são adicionados ao ecossistema do CNCF todos os meses e são promovidos ao status Graduated (Graduados) em velocidade impressionante.

A Elastic tem o compromisso de oferecer suporte às equipes que migram no Kubernetes, incluindo sua necessidade de monitorar esses recursos tecnológicos dinâmicos. Por exemplo, recursos como a autodescoberta no Filebeat e no Metricbeat e os módulos para tecnologias nativas na nuvem como o Prometheus oferecem métodos turnkey para monitorar tanto a infraestrutura do Kubernetes quanto os serviços executados nele.

A versão 7.2 aproveita esses esforços com o lançamento de várias novas integrações para tecnologias nativas na nuvem. O Filebeat e o Metricbeat apresentam o suporte ao CoreDNS, o DNS de cluster padrão para o Kubernetes, que foi recentemente promovido para o status Graduated (Graduado) no CNCF. Também estamos expandindo nosso suporte ao sistema de mensagens NATS — um sistema de mensagens nativo na nuvem open source — em estreita colaboração com os membros da comunidade.

Por fim, o Filebeat 7.2 adiciona suporte ao CRI-O, a iniciativa de tempo de execução de container aberta para o Kubernetes. Desenvolvida na RedHat, essa alternativa leve ao Docker já é o tempo de execução de container padrão na conhecida distribuição Openshift. O módulo CRI-O permite que os usuários do Kubernetes troquem para o CRI-O como tempo de execução de container, sem sacrificar os requisitos de monitoramento.

Observabilidade do Kubernetes com o Elastic Stack

Leia mais sobre as vantagens de integrações de dados do Kubernetes em nossos blogs de versão do Elastic Infrastructure e do Elastic Logs.

Mas espere... porque ainda tem mais!

O Elastic Uptime, apresentado recentemente para proporcionar uma experiência turnkey em torno do monitoramento ativo da disponibilidade, agora inclui integrações de apenas um clique com os aplicativos Elastic Logs, Infrastructure e APM. Essas integrações facilitam muito mais a integração do monitoramento ativo com os fluxos de trabalho de análise de logs e de observabilidade. Leia mais sobre esses e outros avanços em nosso blog de versão do Elastic Uptime.

O Elastic Logs, apresentado na versão 6.5 para otimizar o trabalho com dados de log, adicionou suporte a logs e eventos estruturados por meio da configuração explícita de colunas. Ele também apresentou um recurso de “filtro por campo”, que permite um importante fluxo de trabalho de “visualização de logs adjacentes” que muitos usuários de logs usam nas investigações. Leia mais sobre esses e outros novos avanços em nosso blog de versão do Elastic Logs.

Faça como seu

A maneira mais fácil de experimentar os recursos mais recentes é usar um cluster do Elasticsearch Service no Elastic Cloud. Disponibilizamos as versões mais recentes do Elastic Stack no dia do lançamento. Se quiser é só manter — cuidamos das atividades de executar, escalonar para cima ou para baixo e atualizar o cluster para você. Se você é do tipo que faz as coisas sozinho, pode aprender sobre as nossas opções autogerenciadas, por exemplo, fazer download de binários, executar containers do Docker e implantar o Elastic Stack sobre o Kubernetes