Cinco fatores a serem considerados ao migrar o Elastic para a nuvem

blog-thumb-cloud-blue.png

À medida que as organizações continuam migrando para a nuvem para se beneficiar de uma infraestrutura flexível, acessível e escalável, precisam examinar todas as interdependências e considerar diversos fatores para garantir uma transição tranquila.

Ao migrar suas cargas de trabalho do Elastic para a nuvem, você deve levar vários fatores em consideração para maximizar seus investimentos e minimizar interrupções — continuidade dos negócios durante a migração, otimização do custo total de propriedade, recuperação de desastres, conformidade e segurança. Continue lendo para saber mais sobre os cinco fatores a serem considerados ao migrar cargas de trabalho do Elastic para a nuvem e as maneiras de abordá-los.

Continuidade dos negócios para cargas de trabalho do Elastic durante a migração

A migração para a nuvem não acontece da noite para o dia; na verdade, de acordo com um relatório da McKinsey, 38% dos projetos de migração para a nuvem estavam com atraso de mais de um quarto, e 13% estavam com atraso de mais de três quartos. Com uma mudança de infraestrutura de alto impacto e potencialmente demorada como essa, é fundamental garantir que as cargas de trabalho originais não sejam interrompidas conforme os ambientes forem passando pelos diferentes estágios da jornada de migração.

A boa notícia é que o Elastic tem a capacidade integrada de operar perfeitamente em todos os ambientes, seja totalmente local, híbrido ou até multinuvem, para que nenhuma de suas cargas de trabalho do Elastic seja afetada durante a migração.

Com o recurso de busca entre clusters, você pode acessar facilmente os dados armazenados em ambientes locais e na nuvem, em paralelo. E, à medida que você descomissiona os ambientes locais e expande seus ambientes de nuvem, inclusive em vários provedores de serviços em nuvem, o recurso de busca entre clusters também pode reunir os dados armazenados em todos os seus ambientes de nuvem em uma visualização unificada, proporcionando visibilidade aprimorada e obtenção mais rápida de insights.

Custo total de propriedade otimizado com o Elastic na nuvem

Um dos principais motivos da migração para a nuvem é reduzir o custo total de propriedade, mas como você pode usar as características nativas da computação em nuvem e otimizar os custos das suas cargas de trabalho do Elastic?

  1. Migre automaticamente dados antigos para um hardware mais barato com as funcionalidades integradas de gestão de ciclo de vida dos dados e uma arquitetura em camadas.
  2. Reduza ainda mais os custos armazenando dados acessados com menos frequência em um armazenamento de objetos econômico, como Amazon S3, Google Cloud Storage e Armazenamento de Blobs do Azure, preservando a capacidade de fazer buscas neles com os snapshots buscáveis.
  3. Aproveite o poder do armazenamento e da computação sob demanda com o redimensionamento automático para garantir que a capacidade de seus recursos atenda à utilização, pagando apenas pelo que você usar.
  4. Reduza o tempo gasto na configuração de novos ambientes com a capacidade de iniciar a operação por meio de implantações do Elastic provisionadas instantaneamente em qualquer uma das dezenas de regiões compatíveis na Amazon Web Services (AWS), no Google Cloud e no Microsoft Azure.
  5. Minimize os custos de transferência armazenando dados mais próximo da fonte e usando o recurso de busca entre clusters para acessá-los, de modo que apenas os dados que estiverem sendo efetivamente usados sejam enviados pela rede.
  6. Reduza as despesas operacionais utilizando um serviço gerenciado para o Elastic. Dessa forma, você não precisará se preocupar com a manutenção e a conservação, e poderá concentrar os recursos no uso da plataforma para ajudar a administrar seus negócios.

Implantações do Elastic altamente disponíveis e resilientes

Uma interrupção ocorrida em 2021 na AWS derrubou serviços como Slack, Grindr, o app do McDonald's e a Epic Games Store, e uma interrupção em 2019 no Google Cloud derrubou o Vimeo, a Shopify e o Discord. Para mitigar esses riscos, as empresas podem optar por failovers multizona ou mesmo arquiteturas de recuperação de desastres ativo-ativo multirregião e multinuvem.

Com a arquitetura multizona integrada do Elastic Cloud, o failover multizona está disponível de maneira simples. Para garantir um maior grau de recuperação de desastres, a Elastic também tem a capacidade de replicar dados entre regiões de provedores de serviços em nuvem e entre provedores, para que as empresas possam continuar operando normalmente, mesmo que uma região de nuvem inteira ou um provedor de serviços em nuvem inteiro caia.

Conformidade na execução na nuvem

Muitos países definem e regulam sua soberania de dados. Para cumprir os requisitos regulatórios, as empresas precisam armazenar os dados localmente em vez de enviá-los pela Internet e armazená-los em outra localização geográfica. Isso significa que você precisaria configurar várias implantações em todo o mundo, mas como colocar os dados em uso sob uma visão unificada?

O Elastic Cloud permite que as empresas cumpram os regulamentos de soberania de dados usando a busca entre clusters. As empresas podem fazer buscas facilmente em todos os seus datacenters; assim, uma empresa que executa uma instância da AWS na Cidade do Cabo, uma instância do Google Cloud em Hong Kong e uma instância do Microsoft Azure em Londres pode fazer buscas em todos os seus dados sem realmente movê-los.

Segurança de dados na nuvem

De acordo com um estudo da ITPro Today, o maior problema que as organizações enfrentam durante a adoção da nuvem é a complexidade da segurança cibernética. As preocupações de segurança podem variar desde a proteção dos dados e da privacidade até vulnerabilidades de software e negação de serviços. Ao configurar as implantações do Elastic na nuvem, você precisa garantir que ela atenda aos requisitos de segurança e conformidade da sua organização.

O Elastic Cloud (serviço gerenciado do Elastisearch) foi projetado desde o início tendo a segurança em mente — sistemas operacionais reforçados, serviços não essenciais desativados e todos os componentes configurados para se comunicar usando criptografia para proteger tanto os dados em movimento quanto os em repouso.

Além disso, você também obtém acesso a ferramentas adicionais para auditoria e relatórios, protegendo o tráfego de rede e gerenciando seus usuários. A Elastic também tem uma equipe de segurança dedicada cujo foco é proteger o serviço gerenciado. Quando vulnerabilidades são detectadas, como na recente vulnerabilidade do Log4j, a equipe de segurança trabalha diretamente com as equipes de engenharia para implementar mitigações e remediações a fim de proteger os clientes de serviços gerenciados instantaneamente, enquanto os clientes autogerenciados precisam fazer seus próprios testes e rollout de patches.

Próximas etapas

Com essas considerações em mente, agora você tem uma melhor compreensão de como aproveitar os benefícios dos recursos nativos da nuvem e garantir uma transição suave ao migrar cargas de trabalho do Elastic para a nuvem.

Agende uma conversa com nossos especialistas para ver qual é o melhor caminho a seguir para suas cargas de trabalho do Elastic ao migrar para a nuvem.

  • Estamos contratando

    Trabalhe para uma equipe global e distribuída, na qual podemos encontrar alguém como você está com apenas uma reunião do Zoom. Trabalho flexível com impacto? Oportunidades de desenvolvimento desde o início?